23/08/2017

Setor de serviços diz a Maia que ideia de simplificação tributária causa preocupação

Em reunião nesta quarta-feira (23) com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, empresários e entidades do setor de serviços manifestaram preocupação com a possibilidade de o Executivo encaminhar proposta de unificação do PIS e da Cofins, gerando eventual aumento desses tributos.

Maia disse a empresários e parlamentares que tem conversado sobre o tema com o governo. Segundo ele, a equipe econômica busca evitar impactos negativos para o setor.

“O governo encaminhará sugestão para que o problema seja resolvido. Vão propor a simplificação, mas parece que há uma solução para o setor de serviços”, afirmou.

Alerta
O deputado Laércio Oliveira (SD-SE), que organizou o encontro entre Maia e mais de 40 representantes do setor, afirmou que aumentar a carga tributária em momento de recessão resultará em desemprego e fim de investimentos.

“É sabido que existe um ensaio de medida provisória sobre reformulação do PIS e da Cofins, sob o manto da modernização, mas que aumenta a carga tributária”, disse.

A presidente do Sindicato Nacional das Empresas Prestadoras de Serviços de Telecomunicações, Vivien Suruagy, afirmou que o setor pode quebrar se a carga tributária subir.

“Com a situação fiscal do País, temos lucro de 1% a 2%. Com um aumento de tributos, as empresas vão quebrar, 50% vão entrar no negativo”, avaliou. “O debate sobre reforma tributária e unificação de PIS e Cofins tem que ser responsável”, defendeu.

Reforma
Relator na comissão especial da Câmara que analisa proposta de reforma tributária, o deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR) também rechaçou qualquer elevação de impostos neste momento. “Não há nenhuma chance”, disse.

“Não há saída para o Brasil – nem para o governo, nem para os 14 milhões de desempregados e nem para metade das empresas, que estão praticamente quebradas – se não fizer uma reengenharia tributária”, continuou.

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição – Ralph Machado

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura ‘Agência Câmara Notícias